Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi

  • Doutor
  • Professor
  • Direito

Conosco desde 01/03/2011

Produções

Produção bibliográfica

    Artigos completos publicados em periódicos(9)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A Tragédia e a Efetiva Restauração da Honra. REDES - REVISTA ELETRÔNICA DIREITO E SOCIEDADE. v. 7, p. 1, issn: 2318-8081, 2018.

      Qualis: Não identificado (REDES - REVISTA ELETRÔNICA DIREITO E SOCIEDADE)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Imaginário Jurídico como Instrumento da Tutela de Direitos. Anais do EVINCI. v. 3, p. 495, issn: 2525-5126, 2017.

      Qualis: Não identificado (Anais do EVINCI)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Uma Perspectiva Filosófico-LIterária da Justiça? Platão e os Tragediógrafos Gregos. Poliética. Revista de Ética e Filosofia Política. v. 3, p. 172-194, issn: 2318-3160, 2015.

      Qualis: Não identificado (Poliética. Revista de Ética e Filosofia Política)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. 5 UMA PERSPECTIVA FILOSÓFICO-LITERÁRIA DA JUSTI- ÇA? PLATÃO E OS TRAGEDIÓGRAFOS CLÁSSICOS. Revista de Direito Contemporâneo. v. 3, p. 5, issn: 2316-204X, 2014.

      Qualis: Não identificado (Revista de Direito Contemporâneo)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A personalidade refletida: sobre a construção do sujeito de direitos e as suas relações com a subjetividade. A personalidade refletida: sobre a construção do sujeito de direitos e as suas relações com a subjetividade.. Intersaberes. v. 1, n. 1, 2006.

      Qualis: Não identificado (Intersaberes)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A Natureza dos Direitos no Processo de Integração do Mercosul. Revista de Direito Internacional. 2005.

      Qualis: Não identificado (Revista de Direito Internacional)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A Hermenêutica Constitucional em Perspectiva. Revista de Doutrina do Trf 4a Região. v. 4, 2004.

      Qualis: Não identificado (Revista de Doutrina do Trf 4a Região)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Apreciação sobre as Circunstâncias Sociais Atuais: Raciocínio Introdutório. Apreciação sobre as Circunstâncias Sociais Atuais: Raciocínio Introdutório.. Folha Acadêmica. n. 121, 1998.

      Qualis: Não identificado (Folha Acadêmica)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. 150 Anos do Manifesto Comunista: Novos Rumos. Folha Acadêmica. n. 122, 1998.

      Qualis: Não identificado (Folha Acadêmica)


    Livros publicados/organizados ou edições(2)


      ZANLORENZI, Rafael ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Filosofia da Identidade Jurídica. 1 ed. Curitiba: Juruá Editora, 2013. v. 1, p. 334.

      LÔBO, Andrea ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Temas de Filosofia. Curitiba: Aymará. Temas de Filosofia. Curitiba: Aymará, 2009. v. 1, p. 150.


    Capítulos de livros publicados(2)


      ZANLORENZI, Rafael ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Natureza e Existência dos Princípios. Em: SERBENA, Cesar Antonio. (Org.). Teoria da Derrotabilidade - Pressupostos Teóricos e Aplicações. 1ed.Curitiba. : Juruá Editora. 2012.p. 227-241.

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A INTEGRIDADE DO SISTEMA POSITIVO - Sobre a Obra de Hans Kelsen. In: Ivan Guérios Curi. (Org.). Estudos de Teoria Geral do Direito. 22ed.Curitiba. Em: . : Juruá. 2005.v. 1, p. 23-42.


    Textos em jornais de notícias/revistas(4)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Não alimente o ditador. Gazeta de Alagoas, 19 set. 2018.

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Não alimente o ditador. Gazeta do Povo, Curitiba-PR, 07 ago. 2018.

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Ilusões Nacionalistas e Morte de Direitos. Gazeta do Povo, Curitiba-PR, 26 jun. 2018.

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Não alimente o ditador. Revista Única, Cuiabá-MT, p. 44-44, 01 jun. 2018.


    Trabalhos completos publicados em anais de congressos(4)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Constituição Techno-Thriller e Democracia Digital: a Legitimação das Relações de Poder no Estado Virtual. Em: XII Simpósio Internacional de Direito Constitucional da ABDCONST, v. 1, p. 1100-1117, 2016.

      Qualis: Não identificado (XII Simpósio Internacional de Direito Constitucional da ABDCONST)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Circularidade do Ser e do Tempo em Kant. Em: I Congresso Brasileiro de Filosofia do Direito, 2007.

      Qualis: Não identificado (I Congresso Brasileiro de Filosofia do Direito)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Circularidade do Ser e do Tempo em Kant. Em: I Congresso Mineiro de Filosofia do Direito, 2007.

      Qualis: Não identificado (I Congresso Mineiro de Filosofia do Direito)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A Revolução Social da Cultura através da Linguagem Jurídica. Em: I Encontro de Direito e Cultura Latino-Americanos: Diversidade, 2005.

      Qualis: Não identificado (I Encontro de Direito e Cultura Latino-Americanos: Diversidade)


    Artigos aceitos para publicação(3)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. A TRAGÉDIA E A EFETIVA RESTAURAÇÃO DA HONRA. REDES - REVISTA ELETRÔNICA DIREITO E SOCIEDADE. 2019.

      Qualis: Não identificado (REDES - REVISTA ELETRÔNICA DIREITO E SOCIEDADE)

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Constituição Techno-Thriller e Democracia Digital: a Legitimação das Relações de Poder no Estado Virtual. MANA (UFRJ. IMPRESSO). 2016.

      Qualis: Não identificado (IMPRESSO))

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Sobre as Racionalidades Teórica e Prática no Direito. Revista das Faculdades Santa Cruz. 2008.

      Qualis: Não identificado (Revista das Faculdades Santa Cruz)


    Apresentações de trabalho(7)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Mas isso não - Primeiro hermeneuta e a formação da teoria da decisão. 2016. Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. O problema do hermeneuta como heroi e sinthome na vereda da justiça. 2016. Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti; ZANLORENZI, Rafael. Congresso Interamericano de Filosofia. 2013. Apresentação de Trabalho/Congresso

      ZANLORENZI, Rafael ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Constitucionalismo Simbólico e Cientificidade. 2011. Apresentação de Trabalho/Comunicação

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti; ZANLORENZI, Rafael. Alteridade e Identidade em Axel Honneth. 2011. Apresentação de Trabalho/Comunicação

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Constituição e Erlebnis. 2010. Apresentação de Trabalho/Comunicação

      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Antropologia da Alteridade - Ontologia e Alteridade. 2009. Apresentação de Trabalho/Comunicação


    Demais tipos de produção bibliográfica(1)


      ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Apreciações sobre o Conceito de Risco no Contrato de Seguro. 2004. Monografia de especialização


Produção técnica


    Produção artística


      Orientações em andamento


          Trabalho de conclusão de curso de graduação(2)


            William Fabiano Druszcz Beneti. Formas de discriminação no universo jurídico. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade Positivo, . Início: 2018.
            Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

            Bianca Cazura. Influência das Mídias no tribunal do júri. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) - Universidade Positivo, . Início: 2018.
            Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.


          Iniciação científica(2)


            Mariani Batista. Teoria Estética e direito à honra e à imagem. Iniciação científica (Graduando em Direito) - Faculdade Radial - Estácio de Sá, . Início: 2011.
            Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

            Sephora. Estudos sobre a reabilitação e o arrependimento no sistema penitenciário. Iniciação científica (Graduando em Direito) - Centro Universitário Autônomo do Brasil, . Início: 2009.
            Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.


        Supervisões e orientações concluídas


            Monografia de conclusão de curso de aperfeiçoamento/especialização(1)


              Samuel de Souza. Alternativas do Direito para uma Filosofia Jurídica da Libertação no Contexto Social Brasileiro. (Aperfeiçoamento/Especialização em Direito) - Universidade Positivo, . 2013.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.


            Trabalho de conclusão de curso de graduação(2)


              Tamille Rodrigues de Araújo. ANÁLISE CRITICA DA APLICABILIDADE DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA AUSENCIA DE LIMITAÇÃO TEMPORAL PARA RESTRITIVA DE LIBERDADES NA APLICAÇÃO DAS MEDIDAS DE SEGURANÇA. (Graduação em Direito) - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              BARROS, Guilherme Bertocchi de. UMA ANÁLISE LINGUÍSTICA AO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA COMO INSTRUMENTO À JUSTIÇA: Pela Filosofia De L. Wittgenstein. (Graduação em Direito) - Universidade Positivo, . 2013.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.


            Iniciação científica(17)


              Caio da Silva Aureliano. RECONHECIMENTO DE PADRÕES, MARCAS E A FILOSOFIA DO DIREITO CIVIL. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Isadora O'Donnel Miqueleto; Valquíria Pâmela Silva. BODY DRIFTING, DRONE BODIES E A EMERGÊNCIA DO FEMININO ? UMA REVISÃO DO CASO ROE VERSUS WADE DESDE A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E COGNITIVA. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Milena Martins; Mariana Kroker. A HERMENÊUTICA JURÍDICA DAS LINGUAGENS DIGITAIS E OS PRINCÍPIOS COMO ORDENS CODIFICADORAS DO REAL. Iniciação Científica - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Alessandra K. Costa. Dignidade, Honra e Ordem Pública - Caso da Commune de Mosang-sur-Orge (CONTINUAÇÃO). (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Antonio Zunto; Marco Bortoletto. O HERMENEUTA COMO HERÓI ? O JULGADOR E A DECISÃO SOBRE AS ESFERAS DE DUBIEDADE ÉTICA. Iniciação Científica - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Juliana Buhrer Glodis. RECONHECIMENTO DE PADRÕES, MARCAS E A FILOSOFIA DO DIREITO CIVIL. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2018.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Emanuelle Kuster. O Dilema Settembrini-Paptha e o Totalitarismo de El Salvador. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2017.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Alessandra K. Costa. Dignidade, Honra e Ordem Pública - Caso da Commune de Mosang-sur-Onge. Iniciação Científica - Universidade Positivo, . 2017.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Marco Rodrigo Martins. A Barbárie Interior e os Novos Movimentos de Insurgência Civil. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2017.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Caio da Silva Aureliano. Controle Jurídico-Político das Epidemias e o Caráter de Exceção. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2017.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Karlla Hanayane. Direito de Resistência e Desobediência Civil na Obra de Melville. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2016.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Mirian Alves; Caio Aureliano; Helyde Precendo. Filosofia do Absurdo e o Caso Charrière. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2016.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Eduardo Kimura. Política, Garantias e Religiosidade nos Salem Witch Trials. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2016.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Ágatha Ferraz; Bruno Lopes Oliveira. Transcendentalismo Filosófico e o Caso Prigg versus Pennsylvania. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2016.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Yaggo Souza Ribeiro. Crime, Filosofia e a Lei Seca nos Roaring Twenties. Iniciação Científica - Universidade Positivo, . 2015.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Ulli dos Reis Souto Saad Vaz. A ascensão das entidades religiosas na politica brasileira. (Graduando em Direito) - Universidade Positivo, . 2013.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.

              Lindsay de Oliveira. Honra e Imagem na Quebra de Deveres Imateriais do Casamento. (Graduando em Direito) - Faculdade Radial - Estácio de Sá, . 2012.
              Orientador: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi.


          Projetos de pesquisa

            Total de projetos de pesquisa(22)


              2018-Atual. VIRADA DE COPERNICO
              Descrição: Projeto de pesquisa em Filosofia Aplicada e Direito Civil, vinculado à UFPR e ao grupo de pesquisa SOFIA, da Universidade Positivo.. Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. A HERMENEUTICA JURIDICA DAS LINGUAGENS DIGITAIS E OS PRINCIPIOS COMO ORDENS CODIFICADORAS DO REAL
              Descrição: O presente trabalho, dedicado à compreensão da Hermenêutica Jurídica enquanto ramo da Filosofia do Direito, pretende recuperar e criticar a tradição hermenêutica em suas características mais específicas, notadamente diante da transformação que o conceito de linguagem tem sofrido em razão da ascensão e proliferação das linguagens digitais de programação e codificação. A hermenêutica tradicional operacionaliza as estratégias de alocação significante e significado segundo o papel de duas perguntas fundamentais, as quais dizem respeito à capacidade de compreensão do texto. A primeira se debruça sobre o significado efetivo das locuções, enquanto a segunda pretende recobrar as qualidades referenciais e de sentido do texto, através da reflexão determinante das razões do leitor para regatá-lo. Essas questões, de acordo com Ronald DWORKIN, representam uma preocupação curiosa para o terreno do Direito. Enquanto o assemelham às ordens hermenêuticas da literatura, também pretendem o seu afastamento, já que a hermenêutica jurídica é antes de tudo força decisora (Betti, Gadamer) e pretende a constituição de estágios de influência direta sobre a realidade através de dispositivos perlocucionários (Peirce, Searle). O agravamento da questão hermenêutica para o âmbito jurídico atinge seu auge quando a reflexão linguística passa ao plano das linguagens digitais, elas próprias já sempre constitutivas de realidades presentificadas. O tema, explorado sobretudo perante o dilema que opõe a printed culture à digital culture (Hayles) subverte a natureza mesma da linguagem, configurando com isso renovado esforço no sentido de uma compreensão propriamente dita do texto. Se outrora a constituição existencial da significação no texto esteve relacionada à possibilidade de uma emancipação técnica e artística do discurso (Bourdieu, Gadamer), não presentificada nas experiências históricas do hermeneuta (A exemplo de Gregório de Nisa ou Orígenes) agora a sua propensão está demarcada segundo uma universalidade criadora do texto, a qual altera as cadeias valorativas apresentadas pelo eixo da fenomenologia tradicional (note-se, por exemplo, que para a linguagem codificadora dados de percepção pura, como cores, são apenas referenciais, ao passo que na fenomenologia tradicional representam a possibilidade de exposição densa de uma fissura no realismo que lhe subjaz. A esse respeito, ver Husserl e, para uma leitura original das teses, Goethe). Pretende-se presentemente versar sobre o impacto da transição hermenêutica para as linguagens digitais no âmbito da produção de decisões judiciais. Para tanto, entende-se necessário revisitar os caracteres essenciais da separação (ou identidade) entre a narrativa e o discurso lógico, atendendo-os segundo os fundamentos de uma transformação sofrida em razão das qualidades meta-cognitivas pertinentes à reconstrução do próprio texto. A título exemplar mencionam-se, por exemplo, as obras de Danielewski e Aleksiévitch. O primeiro, representante da literatura ergódica, encontra na desconstrução do discurso e em sua mistura ao tom referencial da pesquisa, bem como no entrechoque estilístico e no emprego da capacidade de manipulação dos tipos e das impressões, uma resposta para a expansão receptiva do texto perante a ampliação dos espaços de tensão do escritor. A segunda atende a uma ansiedade antes de tudo correlacionada às dimensões da materialidade (formal materiality e forensic materiality, de acordo com Kirschenbaum). Nesse caso, a estrutura de suas narrativas-depoimentos completa a transição hermenêutica, demonstrando o papel do hermeneuta como aquele que busca a experiência-limite da linguagem no próprio texto (Blanchot). No que concerne especificamente ao âmbito jurídico, será preciso compreender, a partir de então, que os princípios de uma ordem hermenêutico-fenomênica (Betti) traçados por meio de interpretações integradoras e. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Mariana Kroker - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. Dignidade, Honra e Ordem Publica - Caso da Commune de Mosang-sur-Orge
              Descrição: O presente trabalho pretende abordar, segundo a metodologia da Filosofia do Direito, o debate da formação conceitual da honra nos regimes jurídicos contemporâneos a partir do caso-força de Morsang-sur-Orge, conhecido midiaticamente pelo julgamento da proibição da prática de dwarf tossing na cidade homônima. O arrêt em questão, de 27 de outubro de 1995, estabelece uma conexão relevante entre a dignidade, a honra e a concepção de ordem pública. A agregação de tal elemento permite, nesse sentido, sobrepor um conjunto de decisões de caráter público e protecionista-garantista, em oposição a elementos defensivos das práticas privatistas. O eixo de problematização da pesquisa apresentada é representado pelo mesmo debate travado na concepção do caso força, bem como de casos paralelos de proibição da prática ao redor do mundo (a tentativa de proibição no Canadá pela Dwarf Tossing Ban Act de 2003) diz respeito sobretudo à contraposição entre os regimes de apropriação do corpo e a defesa da honra e da dignidade por iniciativa pública, prescindindo assim da já mencionada iniciativa da parte potencialmente lesada através do poder de acionamento de proteção judicial. Considerando-se, por conseguinte, a referenciada questão, pode-se compreender a persistência de um conflito de princípios. Por um lado, trata-se especificamente do direito individual à disposição do próprio corpo; por outro, trata-se da defesa da dignidade e da honra como valores indisponíveis (e empregados para a insinuação dessa mesma indisponibilidade sobre o corpo). Entende-se, contudo, que o conflito em questão pode ter sido gerado em virtude de um ciclo contínuo de transformações que, a rigor, levaram as concepções de dignidade e honra a um terreno muito distante daquele apresentado em suas formas originais. Em razão disso, pretende-se promover uma discussão filosófica a respeito da honra e da dignidade, partindo-se dos estados de definição considerados clássicos para os termos em questão (ou seja, presentes nas sociedades honoríficas, representadas através do pensamento clássico e do pensamento medieval), observando os processos de transição sofridos ao longo da Modernidade (retratados de forma curiosa no anexo II do Espírito das Leis). Igualmente, pretende-se a recuperação de estudos antropológico-filosóficos, como os conduzidos por PERISTIANY e PITT-RIVERS, no que concerne à formação do conceito de honra nas sociedades contemporâneas, bem como a inserção de tais elementos sob o crivo simbólico de BOURDIEU, em comparação ao traço hermenêutico de RICOEUR. A concepção clássica de honra será construída notadamente a partir de dois eixos, quais sejam, o da literatura grega, particularmente o do jogo de oposições honoríficas havidas entre as tragédias Hécuba e Ifigênia em Aulis, bem como das leituras platônicas presentes em Górgias e Timeu. Adicionalmente, pretende-se confrontar as conclusões teóricas, oriundas do ciclo de 2016-2017, sobre um arcabouço de pesquisas de campo, as quais serão desenvolvidas com público-alvo variado, em geral ligado a categorias de estudantes de ensino médio, pendente a anuência de comitê de ética, de acordo com a normatização institucional. O contexto da pesquisa pretende envolver um corpo de questionamentos a respeito da visibilidade e compreensão geral das condições de afirmação da honra nos modelos sociais contemporâneos, notadamente no que diz respeito ao contexto das respostas institucionais-judiciais, como medição direta de contextos de confiabilidade sobre as decisões de Estado aplicadas a circunstâncias limítrofes como a do dwarf tossing. Objetivos: 1) Desenvolver a capacidade de trabalho em pesquisa, de escrita e de compreensão textual do estudante. 2) Oferecer compreensão detalhada a respeito da formação e transformação das concepções de honra e dignidade. 3) Estabelecer a base conceitual necessária para a resolução do cas. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Alessandra Kutiski da Costa - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. BODY DRIFTING, DRONE BODIES E A EMERGENCIA DO FEMININO ? UMA REVISAO DO CASO ROE VERSUS WADE DESDE A REVOLUCAO TECNOLOGICA E COGNITIVA
              Descrição: O presente projeto pretende debater, a partir da construção do feminino em Svetlana Aleksiévitch, a posição constitutiva do lugar feminino em termos ético-existenciais e políticos, notadamente em razão da revolução prevista por Judith Butler e Catherine Hayles no que concerne à apropriação tecnológica do corpo e ao grau de transformações possíveis a que pode ser submetido, potenciais de uma nova forma de reificação do humano. Pretende, como coroação de seus esforços, aplicar os princípios filosóficos obtidos do debate ao caso Roe versus Wade e à discussão sobre o direito da mulher a seu corpo (questões debatidas por Dworkin em O Domínio da Vida). A narrativa constitutiva do feminino sofre forçosa interrupção através da ortodoxia psicanalítica presente ao longo dos séculos XIX e XX. Elisabeth ROUDINESCO alega ter sido a psicanálise de Freud produzida a partir da mais brutal concepção do corpo feminino como lugar de desfrute, noção essa que foi transmitida imediatamente para o contexto das relações psíquicas, ao se inaugurar um discurso sobre a neurose centrado na concepção da histeria feminina (Freud; Roudinesco). A extensão histórica que presentificou o dano mencionado teve reverberações potentes, claramente captadas por Simone de BOUVOIR em O Segundo Sexo (Bouvoir). A demanda feminina por identidade se converte em um dilema de ordem existencial e política a partir da leitura da autora. A questão sofre agravamento maior em razão de sua dupla condição de tratamento. Por um lado, as expressões denunciadas pelos discursos apresentados não permitem uma completude sócio-política e existencial das expectativas prestadas por uma filosofia do feminino. Por outro lado, as conquistas realizadas no âmbito jurídico mostram-se ainda escassas e divididas, considerando-se o ruído teórico que estabelece, segundo zonas pós-positivistas, uma resistência à dimensão existencial-ascética das normas e da doutrina jurídica, bem como uma dificuldade de compreensão íntima de tais categorias em âmbito mais amplo àquele apresentado pelo traçado político. Com as dificuldades de sedimentação de tais conquistas históricas, passa-se a uma dificuldade mais íntima, que ataca as próprias relações de identidade e autonomia humanas. Refiro-me especificamente à agregação de instrumentos que permitem a manipulação (Vorhandenheit, em Heidegger) do corpo e da mente humanas, e que por isso mesmo reposicionam o humano para além de seu lugar pressuposto ou teleológico (Kant), lançando-o para a dimensão do disponível (Heidegger). A esse respeito, potentes obras têm sido elaboradas nas últimas décadas, oferecendo um panorama de possíveis resoluções para o conflito em questão. O notório manifesto ciborgue (Haraway), por exemplo, exibe traços dessa primeira disponibilidade do humano. Por outro lado, o desenvolvimento do tema, claramente escavado a partir de Butler e Hayles permitem considerar, por outro lado, a dupla noção do chamado body drift, que reconduz o campo das certezas materiais de individuação desde o corpo como fugazes e variáveis, já que o humano se transforma naquilo que se vê conduzido pelos fluxos digitais, pelos ramos de decisões modificadoras e pelo movimento contínuo das tendências e dos prazeres. Ao mesmo tempo, enseja-se a emergência do drone body, que aos poucos aparece como instrumento destinado a razões que transcendem seus limites, instrumentalizando a dimensão corpórea, outrora considerada repositório do acesso existencial realizado pela mente, em um traçado eminentemente dualista (Descartes, Ryle, Gombroix). A questão que se coloca diante de nós, e que se pretende como tema central do presente trabalho, é a de como se pode realizar a transição necessária à afirmação definitiva do feminino diante de uma inversão total de valores que, a rigor, excedem o humano e permitem a sua reificação universal, recobrando o dilema de base freudiana e elimina. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Isadora O'Donnel Miqueletto - Integrante / Valquiria Pamela da Silva - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. O HERMENEUTA COMO HEROI ? O JULGADOR E A DECISAO SOBRE AS ESFERAS DE DUBIEDADE ETICA
              Descrição: A hermenêutica filosófica atravessou a dificuldade da confrontação entre os estados neoplatônicos de reflexão antecipadora da existência (Badiou) e o terreno de ação transformadora da vida e da materialidade. O debate, estendido para a metade do século XX (Betti e Gadamer, sobretudo) permitiu o enaltecimento da questão, mostrando que os processos reflexivos poderiam ser eventualmente entendidos segundo os critérios de uma conformação fenomênica, capaz de englobá-los no âmbito de estruturações linguístico-performáticas (Searle, Peirce). Esse trajeto reflete o conjunto de considerações referentes à constituição cognitiva das virtudes éticas da ação humana, as quais foram compreendidas, segundo o lineamento neoplatônico, de acordo com um estágio apriorístico de consideração metafísica, para prejuízo de ambas as esferas. A separação em questão permite constituir uma cisão própria no terreno do Direito. Por um lado, o julgador deve ser considerado como aquele que depende de um contexto de reflexões que demandam maciça extensão de tempo para que se realizem (o juiz Hércules, de Dworkin, ou a relação de oposição entre os tempos da compreensão e da decisão, em Gadamer). Como dimensão interior desse dilema, percebe-se que a realização compreensiva do julgador não se completa através da mera conversão de elementos éticos para ordens jurídicas mas que, a exemplo da jornada do herói (Savater, Campbell) exige do julgador uma reflexão profunda a respeito da pertinência de determinadas qualidades atoras em relação às reflexões éticas genuínas (como exemplificam os trabalho de Fuller, Cardozo e Wigmore, entre outros). Assim, a jornada impulsionada pelo julgador é a de uma sobreposição, na qual o protagonismo do indivíduo sob juízo se torna a um tempo a jornada do julgador como aquele que poderia, se colocado em situações-limítrofes, ser conduzido ao cometimento das mesmas ações. O conjunto de questões expostas aqui dizem respeito à possibilidade de condenação ou absolvição do indivíduo perante tais relações éticas, à adequabilidade das relações deônticas às condições éticas auferidas e à propriedade íntima das reflexões éticas. Essa relação inaugura a figura do juiz Hermes (o hermeneuta-julgador de Dworkin) como figura de protagonização dos modelos de juízo, figura essa conduzida a uma relação dura, que rememora as angústias de Céfalo ao longo do início da República e o trajeto socrático de autoconhecimento e virtude individual (de acordo com a Apologia de Sócrates e o Fédon, entre outros textos platônicos). A protagonização pelo herói hermeneuta aparece, por conseguinte, como potencial solução para o dilema reflexão-ação, repetido ao longo da história das hermenêuticas filosófica e jurídica. O presente trabalho tem como principal intenção a busca de respostas sólidas para a questão do dilema da reflexão e da ação, através de uma avaliação de casos-força dirigidos por questões politicamente polêmicas mas eticamente condenáveis. Nesse caso, a jornada heroica do hermeneuta repete o processo encontrado entre as figuras heroicas da Antiguidade, notadamente a figura de Ulisses, que oferece a obra literária que servirá como ancoragem exemplar do debate ético dado no exterior da ordem jurídica. Por outro lado, a figura do herói depende de análise pormenorizada, a ser representada a partir do pensamento de Campbell e de Savater, complementados pelas fontes comuns de Jung e Cassirer. Como recomendação inicial de caso-força, pretende-se a avaliação do caso Unabomber, que procurou justificações éticas para ações políticas violentas perpetradas ao longo de décadas nos Estados Unidos, encerrando-se com a condenação do responsável pelas lesões e pelos homicídios perpetrados. A exemplo dos pesquisadores norte-americanos engajados na análise da situação (notadamente Moore), será preciso recuperar a. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Antonio Zunto - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. RECONHECIMENTO DE PADROES, MARCAS E A FILOSOFIA DO DIREITO CIVIL
              Descrição: Naomi Klein afirma, em seu No Logo, que a sociedade pós-produção alcançou seu máximo estágio por reocupar os setores de comercialização do produto através da sobreposição da marca como objeto de desejo e de trocas. Demarca esse salto apresentando a ocupação artística dos velhos quarteirões fabris de Paris como metáfora para o esforço que, mesmo nas zonas mais periféricas, atinge seus propósitos ao inundar a mídia, as ondas de rádio e o espaço com marcas protegidas por lei. Uma aliança curiosa, denunciada a partir da filosofia desconstrucionista e dos modelos sociológicos pós-modernos (Zizek, Baudrillard, Bauman) acusa o processo resultante de uma sociedade pós-espetáculo (Debord) de se tornar catalisador da educação simbólica do desejo. A partir disso, a marca passa a ser o objeto central dos contratos de compra e venda, desgastando continuamente as velhas cadeias relacionais e estruturantes da proteção civil ao comprador e ao consumidor. Não há, contudo, uma clareza ontológica a respeito das considerações centrais pertinentes à possibilidade de proteção de tais relações de troca, eis que se dão em cenários imateriais que não necessariamente se permitem uma consideração uniforme dos direitos do comprador/consumidor diante da diversificação fenomênica das relações de troca no universo simbólico. O presente trabalho pretende resolver o problema da fugacidade da marca como objeto de trocas através da análise cognitivo-ontológica do conceito de marca. Essa é uma reflexão pertinente sobretudo à Filosofia do Direito, de modo que pretenderá o emprego de seus métodos. Como primordial consequência, entende-se que as conclusões poderão ser empregadas para a resolução do dilema apresentado no âmbito do Direito Civil e do Direito do Consumidor. Ali, as concepções de materialização da relação de compra e venda/consumo serão profundamente transformadas, já que concepções como vício redibitório e vício de contrato passam a depender de uma revisão geral das relações travadas com o objeto disponível para consumo, agora centrado na marca e agregado à função, valor e matéria apresentados. Para que se possa construir uma proposta de resolução de tal dilema, será antes necessário explorar a ontologia da marca, diretamente derivada da possiblidade de desacoplagem virtual da marca em relação ao objeto que dela desfruta. De fato, a marca opera como uma força constitutiva do objeto, atravessando a dimensão simbólica, em que o símbolo prestado modifica o real diretamente (Peirce, Bourdieu) para alcançar status semelhante ao da intervenção de linguagens codificadoras sobre construções materiais (firmware, mecanismos de segurança física de computadores, acionados por comandos eletrônicos, como visível na obra de Haylese Kirschenbaum). Diante dessa consciência, pretende-se a exploração do exercício ontológico realizado pelas correntes contemporâneas de estudo da relação consumidor-marca, os quais centralizam tal constituição no esforço de desvelamento da chamada autenticidade de marca¸ a qual representa a capacidade constitutiva de certos valores acoplados pelo consumidor à marca, e que aderem imediatamente ao produto, dependendo do grau de vínculo e recepção da marca pelo consumidor (desejo, consciência, fidelização à marca, como descrito em Aaker, Fournier, Park, Tiends). Caso-força pode ser encontrado no Recurso Especial 63.981/SP, em que a decisão oferece proteção ao consumidor na forma de prestação de serviço de assistência de marca global para produto comprado no exterior, independentemente da distância geográfica entre centro de compra e local de atendimento do produto. Resolve-se a questão sob os auspícios do princípio da especialidade, atendendo-se a um tempo ao contexto determinado de uma marca de alto renome. Aqui, a marca fica evidenciada como portadora de uma dimensão contínua que influencia a relação de troca e que, no sentido específic. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Juliana Buhrer Glodis - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-2018. RECONHECIMENTO DE PADROES, MARCAS E A FILOSOFIA DO DIREITO CIVIL
              Descrição: Naomi Klein afirma, em seu No Logo, que a sociedade pós-produção alcançou seu máximo estágio por reocupar os setores de comercialização do produto através da sobreposição da marca como objeto de desejo e de trocas. Demarca esse salto apresentando a ocupação artística dos velhos quarteirões fabris de Paris como metáfora para o esforço que, mesmo nas zonas mais periféricas, atinge seus propósitos ao inundar a mídia, as ondas de rádio e o espaço com marcas protegidas por lei. Uma aliança curiosa, denunciada a partir da filosofia desconstrucionista e dos modelos sociológicos pós-modernos (Zizek, Baudrillard, Bauman) acusa o processo resultante de uma sociedade pós-espetáculo (Debord) de se tornar catalisador da educação simbólica do desejo. A partir disso, a marca passa a ser o objeto central dos contratos de compra e venda, desgastando continuamente as velhas cadeias relacionais e estruturantes da proteção civil ao comprador e ao consumidor. Não há, contudo, uma clareza ontológica a respeito das considerações centrais pertinentes à possibilidade de proteção de tais relações de troca, eis que se dão em cenários imateriais que não necessariamente se permitem uma consideração uniforme dos direitos do comprador/consumidor diante da diversificação fenomênica das relações de troca no universo simbólico. O presente trabalho pretende resolver o problema da fugacidade da marca como objeto de trocas através da análise cognitivo-ontológica do conceito de marca. Essa é uma reflexão pertinente sobretudo à Filosofia do Direito, de modo que pretenderá o emprego de seus métodos. Como primordial consequência, entende-se que as conclusões poderão ser empregadas para a resolução do dilema apresentado no âmbito do Direito Civil e do Direito do Consumidor. Ali, as concepções de materialização da relação de compra e venda/consumo serão profundamente transformadas, já que concepções como vício redibitório e vício de contrato passam a depender de uma revisão geral das relações travadas com o objeto disponível para consumo, agora centrado na marca e agregado à função, valor e matéria apresentados. Para que se possa construir uma proposta de resolução de tal dilema, será antes necessário explorar a ontologia da marca, diretamente derivada da possiblidade de desacoplagem virtual da marca em relação ao objeto que dela desfruta. De fato, a marca opera como uma força constitutiva do objeto, atravessando a dimensão simbólica, em que o símbolo prestado modifica o real diretamente (Peirce, Bourdieu) para alcançar status semelhante ao da intervenção de linguagens codificadoras sobre construções materiais (firmware, mecanismos de segurança física de computadores, acionados por comandos eletrônicos, como visível na obra de Haylese Kirschenbaum). Diante dessa consciência, pretende-se a exploração do exercício ontológico realizado pelas correntes contemporâneas de estudo da relação consumidor-marca, os quais centralizam tal constituição no esforço de desvelamento da chamada autenticidade de marca¸ a qual representa a capacidade constitutiva de certos valores acoplados pelo consumidor à marca, e que aderem imediatamente ao produto, dependendo do grau de vínculo e recepção da marca pelo consumidor (desejo, consciência, fidelização à marca, como descrito em Aaker, Fournier, Park, Tiends). Caso-força pode ser encontrado no Recurso Especial 63.981/SP, em que a decisão oferece proteção ao consumidor na forma de prestação de serviço de assistência de marca global para produto comprado no exterior, independentemente da distância geográfica entre centro de compra e local de atendimento do produto. Resolve-se a questão sob os auspícios do princípio da especialidade, atendendo-se a um tempo ao contexto determinado de uma marca de alto renome. Aqui, a marca fica evidenciada como portadora de uma dimensão contínua que influencia a relação de troca e que, no sentido específico. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Caio Henrique da Silva Aureliano - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2017-Atual. GRUPO DE PESQUISA PESSOA, SAUDE E TECNOLOGIA - SOFIA
              Descrição: Grupo de pesquisa da Universidade Positivo, conduzido conjuntamente com os professores Gabriel Schulman e Anderson Santos.. Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-2018. VIRADA DE COPERNICO
              Descrição: Projeto de pesquisa no âmbito do Direito Civil, vinculado à Universidade Federal do Paraná. Pesquisa realizada em torno do tema da honra e de suas expressões e aplicações no âmbito jurídico.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Eroulths Cortiano Júnior - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-2017. O Dilema Settembrini-Paptha e o Totalitarismo de El Salvador
              Descrição: Projeto de iniciação científica - Universidade Positivo.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Emanuelle Kuster - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-2017. A Barbarie Interior e os Novos Movimentos de Insurgencia Civil
              Descrição: Projeto de iniciação científica - Universidade Positivo.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Marco Rodrigo Martins - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-2017. Controle Juridico-Politico das Epidemias e o Carater de Excecao
              Descrição: Projeto de iniciação científica - Universidade Positivo.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Caio da Silva Aureliano - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-2017. Dignidade, Honra e Ordem Publica - Caso da Commune de Mosang-sur-Onge
              Descrição: Debate a respeito da prática de 'dwarf tossing' e suas repercussões jurídicas.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Alessandra K. Costa - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2016-Atual. MODELOS JURIDICOS-ROMANOS NOS MAIS PRIMITIVOS TEXTOS CRISTAOS, GNOSTICO-CRISTAOS E JUDAICOS-CRISTAO DO AMBIENTE MEDITERRANEO - SEC. I-III D.C.
              Descrição: Grupo vinculado ao corpo de pesquisa de Linguística e Teologia - UFPR.. Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (3) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2015-2016. Filosofia do Absurdo e o Caso Charriere
              Descrição: Pesquisa no campo da Filosofia do Direito (Direito e LIteratura), dirigido para a análise do caso Charrière a partir da leitura da obra "Papillon", bem como do estudo do caso e da análise da obra literária de Camus.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (3) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Mirian Alves - Integrante / Caio Henrique da Silva Aureliano - Integrante / Helyde Prescendo - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2015-2016. Direito de Resistencia e Desobediencia Civil na Obra de Melville
              Descrição: Projeto de Filosofia do Direito (Direito e Literatura) sobre a noção de insurgência civil presente na obra de Thoreau, com análise de caso-força apresentado ao longo da obra de Melville.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Karlla Hanayane - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2015-2016. Transcendentalismo Filosofico e o Caso Prigg versus Pennsylvania
              Descrição: Pesquisa no campo da Filosofia do Direito (Direito e Literatura) voltado para a observação do caso Prigg vs Pennsylvania, sob a ótica do transcendentalismo de Emerson.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (2) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Ágatha Ferraz - Integrante / Brunno Lopes Oliveira - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2015-2016. Politica, Garantias e Religiosidade nos Salem Witch Trials
              Descrição: Trabalho de Filosofia do Direito (Direito e Literatura) dedicado à análise dos Salem Witch Trials a partir da contraposição filosófica entre puritanos e legalistas.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Eduardo Kimura - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2014-2015. Crime, Filosofia e a Lei Seca nos "Roaring Twenties"
              Descrição: Projeto designado para análise das obras de Dewey e Sutherland como modelos de esclarecimento das consequências jurídicas, éticas e morais da aprovação da Emenda 18 (Lei Seca) em território norte-americano. Trabalho no campo da Filosofia do Direito (Direito e Literatura) dirigido para a análise da obra de Fitzgerald como modelo exemplar de trabalho.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador / Yaggo Souza Ribeiro - Integrante.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2012-2013. Teorias Criticas do Direito - Contrametodologia Juridicae Etica da Insurgencia Civil
              Descrição: Grupo de pesquisa de alunos de graduação da Universidade Positivo, ativo desde 2012.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador. Número de orientações: 2
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2006-2010. Estudos sobre a interseccao do Direito Processual Penal e da Psicanalise, levados a cabo a partir de encontros anuais com especialistas.
              Descrição: Projeto destinado à compreensão da convergência entre o Direito e a Psicanálise.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador.
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.

              2005-2006. Nucleo de Direito Internacional do Mercosul - NUPESUL
              Descrição: Desenvolvimento de estudos variados, que pretendem a conexão de diversas áreas do Direito com a exposição internacional oferecida a partir da intensificação do MERCOSUL. Cada membro apresenta um estudo voltado para uma área de preferência dentro do Direito, demonstrando como essa área é recepcionada no Direito Comunitário do Mercosul. A produção em questão é incluída na publicação anual da Revista de Direito Internacional, desenvolvida pelo próprio núcleo. O acadêmico optou por desenvolver temas referentes à Teoria Geral do Direito e à Filosofia do Direito em relação ao MERCOSUL, relacionando as estruturas e os conceitos tradicionais e observando as possíveis transformações, tendo em vista a possibilidade de um ordenamento ativo em campo nacional, mas que ao mesmo tempo emerge do comum acordo entre diversas nações envolvidas.. Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa. Alunos envolvidos: Graduação: (8) / Especialização: (1) / Mestrado acadêmico: (5) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) . Integrantes: Rafael Otávio Ragugnetti Zanlorenzi - Coordenador. Número de produções C, T A: 1
              Membro: Rafael Otavio Ragugnetti Zanlorenzi.


          Prêmios e títulos


            Participação em eventos

              Total de participação em eventos(48)


                I Colóquio Nacional Direito e Política: a Judicialização da Política e a Politização da Justiça.A natureza estético-reflexiva do eixo politização-judicialização. 2018. (Outra).

                I Semana Acadêmica do Curso de Direito em Homenagem a César lattes.Carreira Acadêmica e Docência. 2018. (Encontro).

                IV Colóquio: Sabedoria Cristã e Sabedoria PAgã ou Fé e Razão.Sabedoria Cristã e Sabedoria Pagã ou Fé e Razão. 2018. (Outra).

                A reforma protestante e o pensamento moderno.O pensamento filosófico e teológico da reforma no século XIX. 2017. (Simpósio).

                EVINCI - Encontro de Iniciação Científica da Unibrasil.Imaginário Jurídico como Instrumento da Tutela de Direitos. 2017. (Encontro).

                III Congresso Internacional de Direito Constitucional e Filosofia Política. Technothriller constitucional: ansiedade do acontecimento, movimentos sociais e hermenêutica constituciona. 2017. (Congresso).

                Tópicos do mundo literário-cristão dos séculos I-III: ambiente sócio-teológico, literatura apócrifo-canônica em diálogo, assimulação de arquétipos e estudosfilológico-ecdótcos.O Problema do Hermeneuta como Herói. 2016. (Outra).

                Tópicos do mundo literário-cristão mediterrâneo dos século I-III: ambiente sócio-teológico, literatura apócrigo canônica em diálogo, assimilação de arquétipos e estudos filológico-ecdóticos.Provérbios na Boca de Jesus. 2016. (Outra).

                XII Simpósio de Direito Constitucional da ABDCONST. Constituição Techno-Thriller e Democracia Digital: a Legitimação das Relações de Poder no Estado Virtual. 2016. (Congresso).

                Abertura de atividades do grupo de Direito e Literatura.Abertura de atividades do grupo de Direito e Literatura. 2015. (Oficina).

                EVINCI - Encontro de Iniciação Científica da UNIBRASIL.Pacto, Honra, Guerra e Justiça na Ilíada. 2015. (Encontro).

                Seminários de "Ensaio sobre a Cegueira", de Saramago.Apontamentos sobre a cegueira como símbolo das qualidades proféticas. 2015. (Seminário).

                Seminários de "Ensaio sobre a Cegueira", de Saramago.Observações sobre o Estado de Exceção em. 2015. (Seminário).

                Congresso de Filosofia e Direitos Humanos da PUC-PR. Direitos Humanos, dissolução do corpo e sociedade de informação. 2014. (Congresso).

                Semana Acadêmica de Direito - Universidade Positivo.Estado de Exceção e a Ordem Constitucional em "Ensaio sobre a Cegueira". 2014. (Encontro).

                Semana Acadêmica de Direito - Universidade Positivo.A inversão hermenêutico-cognitiva através da cegueira branca em Saramago. 2014. (Encontro).

                XVII Congresso Interamericano de Filosofia. Identidade entre Sistemas Filológico-Culturals e Construções Epistemológico-Semióticas. 2013. (Congresso).

                Congresso de Direito, Medicina e Psicanálise - UFPR. 2009. (Congresso).

                Congresso de Direito e Psicanálise - Estudos sobre "A Hora da Estrela" UFPR. 2009. (Congresso).

                Direito e Cinema - Discussão do filme "Obrigado por fumar".Exposições gerais sobre ética e linguagem. 2009. (Outra).

                Jornada Acadêmica da Unibrasil. 2009. (Outra).

                Jornada Acadêmica da Unibrasil. 2008. (Outra).

                Semana Acadêmica das Faculdades Santa Cruz.Hermenêutica e Direito. 2008. (Oficina).

                Semana Acadêmica da Unibrasil.Observações sobre a construção do indivíduo no contexto dos direitos fundamentais. 2008. (Outra).

                Conferência "Para além do Subjetivismo Jurídico Moderno" - Paolo Grossi. 2007. (Outra).

                Estado Social e suas Metamorfoses. 2007. (Outra).

                Estudos Complementares: Proceso Civil Actual, Famílias Jurídicas y Culturales - Álvaro Ragone. 2007. (Seminário).

                Hermenêutica Jurídica em Tempos de Pós-Positivismos - Lênio Streck. 2007. (Outra).

                I Congresso Mineiro de Filosofia do Direito. Cricularidade do Ser e do Tempo em Kant. 2007. (Congresso).

                III Congresso Brasileiro de História do Direito. 2007. (Congresso).

                IV Jornadas de Direito e Psicanálise. 2007. (Congresso).

                II ENCONTRO DE DIREITO E CULTURA LATINO-AMERICANOS: IDENTIDADE, DIVERSIDADE E EMANCIPAÇÃO. 2006. (Encontro).

                PALESTRA CARL SCHMITT E O ESTADO DE EXCEÇÃO. 2006. (Outra).

                Palestra de Encerramento do Semestre Letivo do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR. 2006. (Outra).

                Seminário "Biopolítica e Direitos Humanos: uma leitura desde M. Foucault e G. Agamben".Seminário ?Biopolítica e Direitos Humanos: uma leitura desde M. Foucault e G. Agamben?. 2006. (Seminário).

                Seminário de Teoria do Direito "Os Caminhos das Postmodern Jurisprudence".Seminário de Teoria do Direito ?Os Caminhos das Postmodern Jurisprudence? - José Manuel Aroso Linhares. 2006. (Seminário).

                Seminário de Teoria do Direito "Verdade e Consenso".Seminário de Teoria do Direito ?Verdade e Consenso? - Lênio Streck. 2006. (Seminário).

                Seminário de Teoria do Direito "Visão Global e Crítica da Teoria do Direito".Seminário de Teoria do Direito ?Visão Global e Crítica da Teoria do Direito ? - António Castanheira Neves. 2006. (Seminário).

                Seminário Estado de derecho y derechos humanos:una visión crítica para la defensa de los pueblos.Seminário Estado de derecho y derechos humanos:una visión crítica para la defensa de los pueblos. 2006. (Seminário).

                Seminário HANNAH ARENDT E BIOPOLÍTICA.Seminário HANNAH ARENDT E BIOPOLÍTICA. 2006. (Seminário).

                V Encontro UFPR-UFRJ Encontro dos Grupos de Pesquisa em Direito Civil.Encontro de Núcleos de Pesquisa de Direito Civil - Virada de Copérnico. 2006. (Encontro).

                Aula de Integração Regional.Curso de Integração regional - Faculdade de Direito da UFPR. 2005. (Outra).

                I Encontro de Direito e Cultura Latino-Americanos: Diversidade, Identidade e Emancipação.Coordenação de apresentações e presidência de mesa no I Encontro de Direito e Cultura Latino-Americanos: Diversidade, Identidade e Emancipação. 2005. (Encontro).

                Primeiro Encontro de Direito e Cultura Latino-americanos: Diversidade, Identidade e Emancipação. Apresentação oral de A Renovação Social da Cultura através da Linguagem Jurídica (autoria do apresentador), seguida de debate sobre o tema.. 2005. (Congresso).

                I Ciclo Interdisciplinar de Debates - O Brasil no Século XXI.Ouvinte do I Ciclo Interdisciplinar de Debates - O Brasil no Século XXI. 2001. (Outra).

                10 Anos de Constituição: Cidadania ou Frustração?.Ouvinte do seminário 10 Anos de Constituição: Cidadania ou Frustração?. 1999. (Seminário).

                Defesa dos Direitos Fundamentais.Ouvinte do Seminário Defesa dos Direitos Fundamentais. 1998. (Seminário).

                Os 150 Anos do Manisfesto Comunista.Ouvinte do Seminário Os 150 Anos do Manisfesto Comunista. 1998. (Seminário).


            Organização de eventos

              Total de organização de eventos(3)


                ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Abertura de atividades do grupo de Direito e Literatura. 2015. (Outro).. . 0.

                GAVA, Gustavo. ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Aula Magna do Primeiro Semestre de 2012. 2012. Outro

                FONSECA, Juliana. ; ZANLORENZI, Rafael Otávio Ragugnetti. Direito e Relações de Estado. 2011. Outro


            Lista de colaborações




              (*) Relatório criado com produções desde 1900 até 2019